homem indígenaNo Brasil, encontramos tribos que praticavam rituais do canibalismo. Um exemplo, são os Tupinambás que habitavam no litoral sudeste do país. Baseados na caça e na recolecção (viviam do que recolhiam), acreditavam em espíritos, nos heróis e nos pajés que transmitiam suas histórias. Eles possuíam uma língua comum, o tupi. Contudo, não havia união entre suas tribos e, por isso, acabavam guerreando.

Ritual Canibal

O ritual era realizado, de modo que o índio que comesse a carne do outro adquirisse inteligência, coragem, força e outras habilidades. Esta tribo, ao entrar em contato com os colonizadores portugueses, acabaram morrendo. O mito espalhado pela literatura oficial transmitia o terror que os europeus viram com os atos canibais da tribo. Assim, diziam que eles eram violentos e possuíam uma má índole e que gostavam de caçar seres humanos para comer como churrasco. Essa falta de informação, de conhecer o verdadeiro significado do ritual, fez com que eles fossem cada vez mais exterminados pelos bandeirantes.

As crenças indígenas e os relatos de Hans Staden - um alemão que em 1554 foi aprisionado pelos Tupinambás e, a partir daí, viveu uma aventura que ilustrou a história dessa tribo - mostram que para os índios se alimentarem de carne humana era puramente seguir um ritual. Se comessem carne de um homem forte e corajoso, eles acreditavam que ficariam com essas características também (até mesmo se fosse vontade do morto), assim evitavam a carne de pessoas covardes e fracas. Isso ocorria somente após uma guerra.

Outro razão é a de que a tribo do índio morto poderia se sentir honrado quando o inimigo quisesse comer a carne dele para ficar parecido com ele. Fora isso, eles não praticavam canibalismo sempre e não comiam homens brancos (pelos índios acharem sua carne indigna, pois eles eram filhos dos deuses maus), caso contrário, a tribo poderia ser amaldiçoada de acordo com suas crenças.

Mitos sobre Rituais Indígenas

Por que muitas histórias sobre índios comendo padres e outros fenômenos sobrenaturais eram espalhados, caracterizando os índios como homens maus?

Existiam muitas mentiras espalhadas na época, a favor da Corte Portuguesa. Entre 1500 a 1640, os portugueses instalaram um posto comercial na costa do Brasil. Lá, eles trocavam o pau-brasil trazidos pelos índios por badulaques (objetos de pouco valor).

Quando os indígenas foram levados à Europa como escravos, eles se revoltaram. Por isso, em 1556, Dom Pero Fernandes de Sardinha (o primeiro bispo) foi devorado pelos índios caetés quando naufragou no litoral de Alagoas. Assim, o Governador-geral Mem de Sá resolveu exterminá-los.

O canibalismo é um ritual perverso para os desconhecidos, mas mostra que cada povo tem e adere a uma cultura. Os primeiros habitantes do Brasil foram vítimas dos colonizadores, ora por causa da captura e venda de índios, ora por causa das missões judaicas, a exploração de seu trabalho, as epidemias e as guerras entre índios e brancos.

Todos esses foram fatores que causaram a revolta no índio porque estava sendo arrancado algo que eles haviam apreendido desde que vieram para a América. Para os europeus, muitas vezes, esses atos eram caracterizados como demoníacos e não condiziam com os princípios que eles acreditavam, tornando a imagem do índio cruel e sanguinária.