escultura indígenaSegundo os costumes das tribos e a sua produção, a arte indígena é marcada por vários elementos. Assim, ela não é uma atividade separada da vida cotidiana de uma tribo, mas é ela que faz com que grupos possam se diferenciar um dos outros.

Um exemplo são os Kayapós, em que a pintura geométrica e intrincada, em seus corpos, muitas vezes é usada para identificar a tribo. Os Karajás usam a pintura como enfeite. Já os adornos são usados muitas vezes em rituais especiais, assim como a arte plumária, com vestimentas cheias de plumas ou na colagem de penas ao corpo ou na decoração de artefatos (eles não matam as aves).

Além disso há também a atividade da cestaria. Os cestos são fabricados a partir de folhas de palmeiras. Com a cerâmica são produzidos vasos de barro. A música também é destacada nas tribos tanto como lazer, quanto como para os rituais. Como foi dito, cada tribo possui a sua maneira de fazer arte, mas os elementos que se destacam são na fabricação de:

 

Armas e instrumentos de trabalho: arcos, objetos cortantes, canoas, jangadas e remo;

Acessórios e objetos ritualísticos: cocares, braceletes, cintos, brincos, trançados, bolsas, máscaras, adornos (de coco, sementes, unhas, conchas, etc), enfeites de pena de aves, cachimbos, instrumentos musicais (toró,flauta de taquara; boré, flauta de osso; mimbi, buzina; uaí, tambor de pele e madeira);

Casa e cozinha: Pilão, vasilhas de barro, panelas, bancos, redes, cestos (cestos-tamises, usados para peneirar farinha; cestos-coadores, utilizados para filtrar líquidos e outros), esteiras, cerâmicas, potes.

Cada um desses elementos está ligado diretamente a necessidade dos membros da tribo em querer facilitar a sua sobrevivência e proteger o ambiente onde vivem.